quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Boas Festas!



A Paulista é uma das principais avenidas da cidade, por ela passam milhões de pessoas por dia e mesmo assim a maior parte do seu espaço é destinado à circulação de carro (geralmente com apenas 1 pessoa dentro). Os congestionamentos bizarros de final de ano mostram de novo que além de poluir e matar, os automóveis são os grandes responsáveis pela sub-utilização do espaço que é PÚ-BLI-CO.

De todo modo, com a velocidade média chegando a 10km/h fica mais tranquilo de pedalar por lá. Que em 2011 mais pessoas tenham o privilégio de viver a vida sobre duas rodas, sem motor: Va de Bike!!!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Não tem o que fazer?

Para algumas pessoas o final de semana começa hoje! E diante de tanta coisa acontecendo é melhor anotar na agenda tudo que vai rolar para não se perder nos eventos ciclísticos!



QUINTA DIA 25/11:


Oficina Mão na Roda

Com apenas alguns meses de atividades, a oficina colaborativa de mecânica básica de bicicleta - Mão na Roda - conseguiu se estruturar e criar uma rede de usuários-mantedores que todas as quintas-feiras, a partir das 19h, aproveita o espaço Contraponto (Vila Madalena) para mexer na sua bicicleta, trocar conhecimentos, conversar, conhecer pessoas e fazer doações (grana, ferramentas, peças, energia). A oficina é um projeto da Associação de Ciclistas Urbanos de São Paulo - Ciclocidade - e é aberta a tod@s. Participe!


Bike Polo

Todas as quintas-feiras, a partir das 20h, os fixeiros de São Paulo se reúnem nas quadras do Ibirapuera para jogar Bike Polo que, em linhas gerais, significa trocar o cavalo do Polo tradicional por bicicletas - a maioria prefere as fixed gear, mas tb funciona com bike normal, de marcha.


SEXTA DIA 26/11:


Ciclistas de várias cidades do mundo se juntam e saem às ruas no movimento conhecido como Critical Mass ou Bicicletada. O encontro acontece toda última sexta-feira do mês ou (em alguns lugares) todo último sábado. Veja os horários e pontos de encontro na sua cidade em: http://www.bicicletada.org/ . O site é wiki, colaborativo e se não existe bicicletada onde você mora é só criar uma!

Em São Paulo a concentração começa a partir das 18h e o rolê sai umas 20h, na Praça do Ciclista (Av Paulista x Consolação). O que fazer na Bicicletada? Protestar, reinvidicar, gritar, pedir respeito ou simplesmente pedalar pra conhecer pessoas, encontrar os amigos, beber e se divertir. Você escolhe! O percurso é decidido na hora de acordo com a vontade da maioria, o ritmo é super leve.



SÁBADO DIA 27/11:


A Ciclocidade comemora seu primeiro ano de existência e vai reunir os ciclistas - associados ou não - para celebrar a data com muitas atividades legais. Tem oficinas temáticas, feira de troca, silkagem de camiseta, venda de adesivos, exibição de filmes, amigos e muita música.

Quem for de bicicleta poderá estacioná-la no exclusivo Vallet Bike gratis! Não esqueça de levar sua caneca (ou squeeze), camisetas para pintar e/ou doar, ferramentas e peças que estão sem uso e alegria! Entrada GRATUITA, com contribuição sugerida de 5,00!

A programação completa você encontra aqui.

DOMINGO DIA 28/11:

Já plantou uma árvore? NÃO?! Então aproveite para esverdear São Paulo junto com o projeto Pedal Verde que todo último domingo de cada mês, no período da manhã, se reúnem para pedalar e arborizar a cidade. A saída é sempre às 9h do viveiro Manequinho Lopes, portão 7A do Ibirapuera. Vai rolar picnic, jogos, brincadeiras, meditação e muita energia do bem!

Vale a pena conhecer! O passeio é leve e iniciantes são super bem vindos.









E aí.. diante de tanta movimentação não existe desculpa para não pedalar!!! Bike na rua e bom final de semana!



=)




.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Campanha: PUNAM O MEU BAIRRO


Tá rolando uma movimentação muito bacana do Instituto CicloBR, a CET e sociedade civil para implantar ciclofaixas em Moema - rota de milhares de ciclistas todos os dias e especialmente aos finais de semana, pois o bairro contempla parques do porte do Ibirapuera e das Bicicletas.

A idéia é utilizar o espaço que antes era destinado ao estacionamento de carros (considerada apropriação INDEVIDA do espaço PUBLICO) e criar ali uma via para bicicletas. Ninguém sai perdendo, já que veículos parados não contribuem na tão falada e venerada "fluidez".


Com a divulgação desse projeto no jornal Estadão a coisa começou a repercutir. Sem perder tempo, a rádio CBN promoveu na manhã de hoje, dia 22/10, um debate ao vivo durante o programa do Milton Jung.

Eu até consigo ser compreensiva com as pessoas que não sabem sair da bolha-metálica-de-4-rodas, procuro entender os argumentos e tento alertar para a questão da mobilidade urbana. Mas o caso dessa senhora extrapolou a paciência. Foi tão bizarro que o Valdson (um amigo ciclista que definitivamente não tem o que fazer da vida) tirou um tempinho pra transcrever as falas dessa cidadã que POR ACASO é PRESIDENTE da Associação dos Moradores de Moema AMAM - Lygia Horta.

Ela representa as pessoas que vivem e consomem naquele bairro e, sinceramente, tudo que senti foi vergonha alheia tamanho preconceito e ignorância. Não só pela questão das bicicletas, mas pelo desconhecimento das palavras CIVILIDADE e RESPEITO.

Entrem em contato c/a AMAM. gdr@sti.com.br ou e registrem suas reclamações!

Ouçam o debate (se tiverem estômago) e/ou leiam a transcrição aqui:

___________________________________________________________________

-Como é que lá na associação tem se discutido isso e vocês recebem essa
possibilidade, Lygia?

-Bom, na associação nós não chegamos ainda a discutir isso porque isso é
um assunto muito novo, saiu hoje né, então nem deu tempo ainda de discutir.
Mas o que nós achamos em síntese geral é que se o, como é que se diz, se o
estacionamento de automóvel não é problema de quem adota andar de bicicleta,
segundo foi dito agora, ciclovia também não é problema dos moradores que os
ciclistas não tenham como transitar. Então fica assim elas por elas? Não é
assim que tem que funcionar. Eu acho o seguinte: as ruas aqui em Moema são
ruas estreitas, este bairro foi projetado por volta de 1915 do século passado,
portanto não se cogitava colocar ciclovia, não se cogitava naquela época o
excesso de tráfego, de trânsito, muita coisa não tinha. Então o que ficou
são ruas relativamente estreitas que não comportam a retirada de mais ainda 2
metros, só pra ciclista passear? Ou só pra privilegiar ciclistas que vem de
outros bairros e vem de passagem aqui pra Moema pra atingir o parque Ibirapuera
ou sei lá onde que eles querem ir? Não é justo isso. E nós já fomos
prejudicados com a falta de estacionamento aqui. Não é uma questão de quem
compra carro tem que guardar o carro por conta de quem compra carro. Não é
assim que as coisas funcionam. Também então nesse caso quem compra bicicleta
então é por conta deles andar de bicicleta pela rua, então o povo não tem
que ver nada com isso. E vai ser prejudicado em 2 metros a via pública?
Não...

-Porque a senhora chamava a atenção que uma ação como essa pode reduzir, ou
reduziria o espaço para os automóveis passarem por alí? O privilégio não
teria que ser dado primeiro ao transporte público?

-Bom, reduz tudo né? Reduz o transporte público, reduz o transporte
particular de carros e ainda tiram 2 metros dessas ruas que já estão
congestionadas...

-Mas esse espaço não é onde vai passar o ônibus?

-Como?

-Esses dois metros ao qual a senhora está se referindo não é onde vai passar
o ônibus?

-Esses 2 metros não seria só especificamente pra bicicleta?

(André explica)

-Dona Lygia, só pra gente... Então a senhora conseguiu enchergar então agora
como é que é isso. Dentro dessa perspectiva, como é que a senhora vê?

-Eu acho um absurdo. Eu acho um absurdo porque o que aconteceu aqui em Moema
foi o seguinte: nós tínhamos 3850 vagas de estacionamento de automóvel.

-Na rua?

-Na rua.

-Tá.

-A prefeitura retirou e colocou 1076 zona azul, pago. Quer dizer, nós
estacionávamos gratuitamente. Então isto está transtornando demais o
comércio.
O comércio de Moema já está grandemente prejudicado por causa desta falta de
estacionamento. Se o cliente chega num lugar, não pode parar, então ele vai
procurar outro lugar onde ele possa parar pra poder fazer as compras. E isto
nós já temos lojas fechando por causa disso. Agora, além de não termos mais
estes estacionamentos permitidos e esses 1076 são muito poucos apesar de serem
pagos e muito bem pagos, agora ainda vão colocar mais ciclovia pra prejudicar
mais ainda a vida do morador? Esse negócio de calçada larga na minha casa é
uma besteira. Que história é, que bobagem é essa? Ninguém tá querendo
calçada larga, ninguém falou em calçada. Nós estamos falando em leito de
rua.
Que, que, ocupado por, por bicicleta?? Ah, tenha paciência...

-É isso que eu queria entender. No que que a bicicleta aí na região
prejudicaria a região, dona Lygia?

-Porque prejudica?

-É isso que eu queria entender, porque que que a bicicleta na região
prejudicaria.

-Não é a bicicleta que prejudica. Nós aqui de Moema, da associação,
interferimos com a prefeirura há uns anos atrás pra feitura do parque das
bicicletas. Onde hoje é o parque das bicicletas no Ibirapuera iria ser outra
coisa completamente diferente. Nós interferimos e fizemos com que fizessem lá
no parque Ibirapuera o parque das bicicletas. Pra que a criançada, pra que as
pessoas tenham o direito de andar com suas bicicletas. Bicicleta não foi feita
pra ficar passeando no meio da rua, no meio de automóvel, no meio de
caminhão, no meio de ônibus. Não foi. Pra isso tem o parque Ibirapuera e o
parque das bicicletas. Pra que as pessoas possam passear, transitar, sem risco
de acidente, sossegado, sem risco de furto. Então eu não sou contra quem anda
de bicicleta. Meus filhos, minha filha, meus netos, têm bicicleta. Mas eles
transitam em lugar próprio.

(André fala que a lei garante o direito do ciclista de andar na rua)

-Não achamos que não tenha o direito de andar com bicicleta na rua. O senhor
interpretou de uma maneira errada. Ele interpretou de maneira errada.

-A senhora não acha, a senhora não tinha dito que achava que a bicicleta não
devia estar na rua?

-Não, não acho que bicicleta seja proibida de andar na rua. Isso é uma
interpretação muito infantil. O que eu acho é que não é justo que tire...
A bicicleta pode andar a vontade na rua. Mas desde que não interfira no
andamento de outros veículos também. Que não se privilegiem a ficar só eles
numa faixa e estreitando os outros, e deixando minguado o lugar onde carros e
ônibus vão passar.

(André fala que a zona azul privilegia o comércio)

-Não é verdade que os comerciantes estão felizes da vida com a zona azul.
Nós temos feito reunião toda semana, semanalmente, com comerciantes que
estão solicitando as vagas de volta, porque eles estão tendo prejuízo, eles
estão fechando as portas. É mentira esse negócio de dizer que o comércio
foi privilegiado com essa zona azul. Isso não existe. O que nos, o que os
comerciantes tem se queixado, e muito, e estão aflitos, e estão tendo
prejuízos, é justamente a falta da zona azul, da, aliás, é a falta da, do
estacionamento onde foi colocada a zona azul. Isso não existe, não é verdade
isso que esse senhor está falando.

-Dona Lygia, a senhora pretende levar essa discussão à CET, como é que a
senhora pretende atuar à frente da associação?

-Bom, alertar as pessoas pra que isso não aconteça. Porque não há
necessidade nenhuma de tirar esses 2 metros de... Agora outra coisa, se essa
ciclovia vai ser estendida por São Paulo inteiro, porque começar por Moema,
porque castigar Moema ainda mais do que já está com a falta de
estacionamento? Porque? Porque que Moema está sendo tão castigado? Porque?
Então que façam essa experiência em outros bairros, não aqui. Aqui não.
___________________________________________________________________


Por esse motivo faço um apelo às autoridades (in)competentes:

PUNAM O MEU BAIRRO COM CICLOFAIXAS, CICLOVIAS, CICLOROTAS, CICLO QUALQUER COISA!!! VAI SER UM PRAZER PODER COMPARTILHAR A VIA COM AS BICICLETAS E VER FINALMENTE A CIDADE EVOLUINDO, CIVILIZADA, HUMANIZADA E FEITA PARA AS PESSOAS - e não para os carros.




.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Tal filha, tal mãe

tem como nao se orgulhar?????





Em 28 de setembro de 2010 14:53, Evailda Cavalcante escreveu:


Escute só:
Sábado comprei camarão para fazer "aquele" prato que comemos em Salvador, lembra? escondidinho de camarão. Resolvi fazer domingo. Só que verifique que não tinha o queijo mussarela para colocar em cima do purê. Peguei a bike e fui rumo ao supermercado, perto lá de casa. Saí umas 9:30, me achando na EUROPA kkk. chegando ao lá, deixei o vigilante dando uma olha na 'Amelie' e fui em busca do queijo. Saí de lá com: queijo, café, refri, sorvete, leite, biscoitos e acúcar..rsrsrsr pense.
Coloquei alguns ítens na sacola das costas, outro pacote amarrei com um elástico no fundo da bike e o último prendi no suporte junto com a garrafinha de água...SIMPLES!! Pedalei de volta pra a casa FELIZ com compras na bike.... eu sorria sozinha a caminho de casa, achando super lindo, com boné, óculos, protetor solar e td mais... e o tempo também estava ótimo.
E essa é minha história do domingo. Terminou com um belo escondidinho de camaraão que ficou uma delíciaa..Bjos
mamissssssss

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

#DMSC

Troca de emails com a minha mãe no dia 21/09 (véspera do dia mundial sem carro):

eu: Mãe, amanhã é o dia mundial se carro e sabe o que isso significa??? Que vc VAI TER QUE deixar o carro em casa e trabalhar de outro jeito...

ela: Mas eu tenho coisas pra resolver! Não dá!!!

eu: Desculpa não ter avisado antes, mas SE VIRE!!!! Não quero saber de vc dirigindo amanhã, ENTENDEU??

ela: Ok, linda filha!!!


E como ela é uma mãe muuuuito obediente (tenho a que puxar) o resultado foi esse:






Bonde pro trabalhooooooooooooo!!!! ÊÊÊÊÊÊÊ!!!!! Parabens Dona Eva.. MEU ORGULHOOOOOO!!!

PS.: Ela é a de vermelho, no canto direito

=)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

welcome darling

Depois de longos dias de espera, nasceu a mais nova cria da mamãe.. É a Babizinha linda!!!

Obrigada ao titio Canna, Valverdes, Cicloficcine, meu pai, minha mãe, meu irmão e a tod@s os envolvidos nesse paaaarto!! Ainda estou me adaptando à bicicleta, principalmente ao selim...



Apesar de já ter pedalado uma roda fixa (a Mafalda hehehe) nada se compara a uma bike do seu tamanho, do seu jeito, com sua cara. A coisa que mais sinto diferença da MTB é o silêncio.. impressionante como a fixa não faz barulho nenhum... nada de tec tec, plac plac!

E pra quem acha que é o fodão, que pedala pra c***, arrasa nos pedais e tá maluco por uma fixinha, vou logo avisando: o movimento que se faz numa bicicleta de roda fixa é completamente diferente das outras bikes. Descobri a existencia de músculos que nem sonhava estar ali, o resultado disso são pernocas e glúteos doloridos....

Não posso deixar de agradecer à indústria farmacêutica por ter contribuído fortemente na minha qualidade de vida, tendo inventado, este, que agora é meu amigo-fiel-companheiro-de-todas-as-horas!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Desafio Intermodal São Paulo 2010

É hoje!!!

Qual meio de transporte é mais eficiente e limpo nos deslocamentos urbanos?? Essa é a principal pergunta que o Desafio Intermodal pretende responder. Pelo quinto ano consecutivo, São Paulo realiza o evento na tentativa de chamar atenção das autoridades para investimentos em meios de transporte alternativos, em detrimento ao transporte individual motorizado (carro carro carro).

Os participantes sairão com seus modais às 18h da Berrini (pça General Gentil Falcão) em direção ao prédio da Prefeitura, localizado no viaduto do chá, centro. Uma média da 10km. Esse ano são 27 categorias e uma enxurrada ciclistas, todos pedalam como meio de transporte, inclusive o velocista.

Outra novidade é a presença do skate, patins e monociclo, meios de locomoção legítimos que aos poucos ganham as ruas da cidade de SP. Carro, transporte publico, moto e pedestre serão novamente contemplados, ínclusive com o trajeto feito por 2 cadeirantes em ônibus e metrô.

Além do tempo no deslocamento, serão calculados os custos gerados pelos modais e suas emissões do CO2. O Desafio Intermodal faz parte da Semana da Mobilidade Urbana que culmina no dia 22 de setembro, Dia Mundial Sem Carro.

Além de São Paulo, haverá realização do Desafio em outras cidades, acompanhe e participe:
Aracaju
Floripa
Brasilia
Desafio anteriores em SP




Alguém adivinha pra quem eu to torcendo????

=)


.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Pedalar dá barato...




Dia 22 de setembro é o DIA MUNDIAL SEM CARRO!!!
Contribua.. pelo menos NESSE DIA deixe seu carro em casa...

.

O segredo das cidades cicláveis

País de primeiro mundo, a Holanda é um dos lugares que mais bem recebe a bicicleta, hoje existem mais magrelas que habitantes e isso faz toda a diferença no convívio social e desenvolvimento econômico de Amsterdã.

"O governo incentiva, a população gosta e o planeta agradece"! Inserir a bicicleta no cotidiano das pessoas é mais fácil do que parece, a cidade não precisa necessariamente ser plana nem ter milhões de quilômetros de ciclovia. Basta desestimular o uso abusivo do automóvel, punir quem desrespeita as leis de trânsito, reduzir as velocidades das vias e fazer os motoristas entenderem que a rua é pública, ou seja, de todos.




Compartilhar a via com segurança é uma regra muito bem aplicada em vários lugares do planeta, a prioridade aos pedestres e ciclistas também, afinal de contas estamos lhe dando com seres humanos e não com máquinas.

Matemática simples e fácil. Só precisa de políticas públicas e governantes com "culhão" para enfrentar a terrivel indústria automobilística e petroquímica, que move milhões e milhões de reais na mesma proporção que mata e destrói.

Vejam outro exemplo belissimo, Nova York! Lugar agitado, corrido, várias vezes associado ao caos paulistano. E olha o que se vê por lá:





Desacelere e explore sua cidade... E a melhor frase do vídeo:

"Ter carro aqui é ter um problema! Faltam vagas, o trânsito vive engarrafado... quem é chique vai de bicicleta!"

.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Tá difícil respirar

Culpar o tempo seco por esse ar nojento que respiramos em SP, é no mínimo, ingênuo. Mesmo no deserto, que tem umidade baixiiissima, consegue-se ter um ar mais respirável. Sabe pq?

O grande responsável pelos desconfortos, doenças respiratórias e mortes é seu automóvel. A poluição que sai dos escapamentos corresponde a 90% das toxinas que respiramos todos os dias. E não adianta culpar caminhões, queimadas ou a falta de chuva.

Poluição é poluição. Se você utiliza carro pra pequenos deslocamentes, anda sozinho e fecha o vidro achando que não entra fumaça: Não reclame dessa merda de tempo!!!

Pra inspirar e expirar,

vejam o video de uma ação que fizemos a um tempo, mas se encaixaria perfeitamente nos dias de hoje: "Tá Difícil Respirar"



E não esqueçam..

Dia 22 de setembro é o DIA MUNDIAL SEM CARRO!!!

Você sabia que 90% da poluição do ar vem dos escapamentos dos carros??
.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Olhe ao redor, sinta a presença

E aos poucos as bicicletas invadem os quatro cantos da cidade..
não adianta mais fingir que não vê!

=)


terça-feira, 17 de agosto de 2010

Fixolimpiadas 2010 - SKID

Aproveitei um tempinho livre pra adiantar uns videos que tava devendo
hahahahaha

Esse foi de maio, durante as Fixolimpiadas, realizadas no Ibirapuera!



quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Pedalinas, agosto 2010



Mais um videozinho pra vcs se divertirem

=)

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Caminhos

Videozinho que fiz hoje, no caminho pro trabalho...


segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Sobre sua opinião, Barbara Gancia

Toda segunda-feira é quase a mesma rotina, abro meus emails e atentamente vou selecionando aquilo que pode me ser útil ou não. É complicado fazer isso diante da enxurrada de coisa que aparece nas listas de discussão das quais faço parte, mas tento acompanhar na medida do possivel.

Um dos textos me chamou bastante atenção e é sobre ele que vou falar.

Acabo de chegar no trabalho, às 9h (09/08/2010). Passei pela Av Sumaré, Inácio Pereira da Rocha e um pedaço da Pedroso de Moraes e Faria Lima. Chego aqui comentando que hoje o trânsito de veículos tava tão infernal que pude passar tranquilamente nos corredores e ainda assoviar as músicas da Amy Winehouse. Ao contrário da maioria, eu NÃO estava de carro. Vim pedalando sobre uma bicicleta - meu principal meio de transporte atualmente em São Paulo.

E sinceramente? Não fiz isso preocupada com o meio ambiente, nem com o que pessoas (como a tal Bárbara Gancia) iriam pensar ou falar de mim. Fiz isso pq cansei de ser troxa, de perder tanto tempo parada numa rua, de chegar atrasada pelo mesmo motivo sempre. Cansei! Precisava chegar no horário, dormir um pouco mais, ter disposição e continuar bem humorada mesmo num dia de cão.

É... cada um tem suas prioridades na vida. Eu tenho as minhas e gostaria de ser respeitada.

Participo da Bicicletada há quase dois anos, tive um carro, moro bem, não passo muitas dificuldades financeiras. Sou patricinha? Sei lá.. O que é ser patricinha/mauricinho? Barbara Gancia é patricinha?

Fato é.. ando de bicicleta, adoro fazer isso todos os dias. Aliás, muitas vezes é a única coisa legal que me acontece. Chego no trabalho rezando pras horas passarem e eu poder voltar de bike novamente. Por vezes até estico meu retorno, passo na casa de algum amigo, ou em algum barzinho, ou vou passear sem rumo. Posso fazer isso, tenho essa liberdade e (mais uma vez) só queria RESPEITO dos outros.

Bárbara, sua opinião medíocre e sem fundamentos de que "a bicicleta deveria apresentar uma alternativa pra quem não tem dinheiro" e que "no caso de SP, presta-se apenas a paleativos" não me surpeeendem, visto que sua coluna naquele jornal de grande circulação não faz parte da minha rotina de leitura (agora menos ainda). Minha preocupação está na lógica assassina e no desserviço que a senhora presta àqueles que te lêem, ratificando o pensamento conservador de que a bicicleta não faz parte do trânsito das cidades.

Independente da sua opinião e das características 'pequenas e mesquinhas' (como se auto define e hei de concordar) peço (mais uma vez) RESPEITO pelas pessoas! Respeito por quem utiliza a bicicleta como meio de transporte em SP. Se você concorda ou não, isso é um problema exclusivo SEU! Assim como não interferi na vida daqueles infelizes que travaram a Sumaré hoje pela manhã..

E só uma correção na sua fala: "A fim de se proteger de um 'inimigo' invisível (...)" ERRADO! Esse 'inimigo' não é tão invisível assim! Ele tem cara, tem forma e tem nome. Por vezes esses inimigos expressam opiniões por ai e me assustam. Fazem até ameaças do tipo "vai cair e quebrar todos os dentes". É contra esse tipo de gente que eu luto todos os dias nas ruas, gente que ameaça a vida dos outros, mas chora a morte de alguém que foi atropelado por um carro enquanto andava de skate. Gente HIPÓCRITA E ASSASSINA!

Mas a vida continua e eu preciso trabalhar esperando que o tempo passe logo pra voltar pedalando, mais uma vez. Só quero chegar viva em casa, assim como vc!


Leia mais sobre esse caso:
Blog do @oBicicreteiro
Blog do Outras Vias
Blog 10porhora

sexta-feira, 30 de julho de 2010

MTV (não) Debate

Essa semana participei do programa MTV Debate apresentado pelo Lobão, ao vivo na MTV. O tema foi "Carro e velocidade são feitiche para os jovens?", na mesa tava uma galera que faz "racha profissional" em autódromos e pessoas que (assim como eu) tambem acham que altas velocidades são responsáveis pela violência no trânsito.

Já de cara é possível ver a principal contradição entre os discurssos: um lado fala sobre a velocidade dentro de espaços estruturados pra isso e outro pensa e teme a velocidade em espaços públicos.

E foi assim durante todo o programa. Eu tentando puxar o assunto para o perigo das nossas vias serem feitas para os carros correrem (e como essas práticas podem influenciar na rua) enquanto o foco rondou o racha como prática esportiva legalizada.

No fim achei o "debate" fraco, sem conteúdo e totalmente fora do que havia sido proposto. Os pontos positivos ficaram na comparação entre duas campanhas de transito (uma inglesa e a brasileira) e algumas intervenções pontuais.

Mas não me surpreendeu tanto pq ja tinha sido alertada por alguns amigos que aquele formato não proporciona debates sérios!

Pra quem não viu, assista a integra aqui


.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Invasão em CURITIBA!



Aii galera
Amanhã embarcaremos rumo ao 3º encontro de bicicletadas do Brasil, em Curitiba.
Vai ser lindooooo.. e esse ano será bem especial pra mim pq ano passado eu quebrei o braço 1 SEMANA antes do bonde. Participei da bicicletada carregada num charrete e não desci a Serra da Graciosa :(

Vai ser questão de honra dessa vez

EBAAAA!!!!!!!!

Veja mais informações no blog Outras Vias



quarta-feira, 28 de julho de 2010

Tenho minha delicadeza

Mexo, remexo na inquisição
Só quem já morreu na fogueira sabe o que é ser carvão
Eu sou pau pra toda obra, Deus dá asas à minha cobra
Minha força não é bruta, não sou freira nem sou puta
Porque nem toda feiticeira é corcunda, nem toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone, sou mais macho que muito homem

Sou rainha do meu tanque, sou pagu indignada no palanque
Fama de porra-louca, tudo bem, minha mãe é Maria ninguém
Não sou atriz, modelo, dançarina
Meu buraco é mais em cima
Porque nem toda feiticeira é corcunda, nem toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone, sou mais macho que muito homem

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Bike Hype no ar

Fui surpreendida com essa campanha do Dia dos Pais, das lojas C&A:




Achei beeem legal ainda mais que vem com o conceito de "ganhe as ruas".

=)

terça-feira, 20 de julho de 2010

15 minutos de fama

como ja disseram por ai.. virei ciclocelebridade
kkkkkkkkkkkk
mentira ne..
mas a materia ficou realmente legal
eu, drielle e evelyn falando das pedalinas no jornal da gazeta


quarta-feira, 14 de julho de 2010

Ciclo(qualquercoisa)via da Sumaré

Já existe uma discussão bem polêmica sobre a real eficácia das ciclovias - aquelas vias segregadas e exclusivas para a bicicleta. Alguns acreditam que essas vias pioram o problema da falta de respeito com os ciclistas já que o motorista se acostuma a achar que lugar de bicicleta é somente naquele espaço.

Em contrapartida as ciclovias também servem de estímulo para o seu uso, pois facilitam e tornam seguros os deslocamentos em grandes e movimentadas avenidas. Porém (como todos sabem) é impossível ter ciclovias em 100% dos trajetos e em algum momento vai ser inevitável compartilhar com carros, motos e ônibus.
Enfim, nem quero adentrar no mérito da questão, isso é assunto pra outras conversas!

Fato é: bem ou mal existem algumas (raras) ciclovias na cidade de São Paulo e elas têm sido bastante comemoradas por alguns ciclistas. Mas convenhamos, de que adianta lutar tanto por um espaço se eles são feitos de forma amadora, sem planejamento cicloviário nem manutenção????

Sinceramente, tem coisas que é melhor nem começar a fazer. Um exemplo disso é a "ciclovia" da avenida Sumaré. Todos os dias eu passo por ela e não me conformo com o que vejo. Primeiro pq ela - na minha humilde opinião - já nasceu errada ali no canteiro central da avenida.

Implantar ciclovias em canteiros centrais é tirar espaço de calçadas para pedestres e de árvores. Se precisamos tirar espaço de alguém nessa cidade, é dos automóveis nas ruas. Parece coisa armengada, improvisada, "nas coxas". Pedalar ali é fazer downwill constante! Haja suspensão!
Nem vou falar que é um saco ter que enfrentar os (milhões de) cruzamentos que cortam a ciclovia o tempo todo........



Pra piorar a situação, quem precisa se deslocar por aquela avenida tem que escolher passar entre: a "cicloterra", faixa da direita compartilhando com os onibus e um asfalto RIDÍCULO, faixas dos carros no meio ou à esquerda na motofaixa. Resultado: todos os dias vejo mais bicicletas pedalando na faixa exclusiva para motos!!!!
Além de inviável é vergonhoso, ainda mais sabendo que a área está sob responsabilidade da Sub-Prefeitura da Lapa (em tese, amiga do ciclista).




segunda-feira, 12 de julho de 2010

Audax Boituva Parte 2: Surpresas e Superações

Assim que foi dada a largada o frio na barriga se espalhou pro corpo inteiro. Mas não era psicológico, tava frio de verdade! Perfuramos uma neblina linda e pedalamos dentro dela por uns bons minutos... frio frio frio, fumacinha na boca e dedos congelando!


Cheguei a colocar até meu corta-vento mas logo tava pingando de suor por dentro. Alguns quilômetro pedalamos em grupo, conversando, filmando o caminho, tirando fotos do visual que era incrivel. Mas a solidão era o destino e foi assim grande parte do percurso.


Vez por outra trombava com algum ciclista consertando pneu e era impressionante ver a solidariedade das pessoas, ninguém negava ajuda. A estrada tinha muito restos de asfalto, pedrinhas e arames, um desafio pedalar assim. Fora isso a Rodovia Castello Branco é bem movimentada, os caminhões passam muito rápido chegando até a desequilibrar.


A velocidade máxima permitida lá é de 120km/h. UM ABSURDO considerando que é uma região habitada, onde muita gente pedala como meio de transporte ou esporte. Não é raro ver a imprensa noticiando acidentes fatais por ali. Passei por crianças, idosos, famílias e até um cachorrinho perdido.
Enfim,
os 75km iniciais foram de reflexão, solidão, nostalgia. Pensava muito nos outros audaciosos. Onde estariam? Será que tava tudo bem? E a Jeanne, desistiu? Mandava msg no celular e ninguém respondia. Silêncio, silêncio, silêncio!


De repente eu e a Sarah estavamos pedalando juntas! Deu uma energia boa ter com que compartilhar as sensações. Chegamos no 1ºPC umas 11h da manhã, lá encontramos outros amigos e descansamos um pouco antes de partir rumo aos outros 75km de prova.

Até que Dona Sarah decidi não mais fazer 150km e sim os 300km!!! Fiquei assustada, pedi por tudo pra ela não ir. Em vão. A menina tava decidida e não tinha jeito de fazê-la desistir da idéia! E ela foi.... Foi com a Pantera (sua bicicleta de roda fixa).

Eu já estava na metade do Desafio, faltavam os outros 75km e me sentia super bem, mas mal sabia o que me esperava pela frente! As descidas viraram subidas, o sol rachava a cuca e o vento era adversário, pois assoprava contra a gente! A pedalada foi mais cansativa, mas nao menos legal.



Sem a preocupação do tempo, eu e outros amigos pudemos apreciar a paisagem, parar pra tirar mais fotos e até um super picnic incrível. Avistar a placa "Boituva 5km" deu um gás fenomenal. Na minha cabeça só pensava que aquela era a distância que fazia todos os dias, então ia chegar logo (isso não funciona sempre, pois esses 5km demoraram uma eternidade).

Concluir o Desafio 150km foi lindo, emocionante. Mas ver as amigas, Jeanne e Sarah, superando os próprios limites foi inexplicável. A primeira não pedala tanto depois que sofreu um assalto, ficou traumatizada mas nao desistiu da bike. Completou o desafio no seu ritmo e com muito louvor! A segunda fez os 300km com uma bicicleta considerada imprópria para o tipo de evento e mostrou que o limite está na cabeça de cada um. Chegou às 3h da manhã, dentro do tempo máximo e recebeu mil elogios (mesmo quem a chamou de maluca assumiu que isso também era um elogio, me incluo nessa).


Só sobraram ótimas histórias e muitos vídeos pra editar. Meu computador, tadinho, já tem tanto material que mal consegue responder aos comandos no tempo. Só tenho a agradecer aos organizadores pela disposição e aos amigos pela energia. O próximo é em agosto, 400km, só pode participar quem fez os 300km (+ a Sarah, pessoa de quem nao duvido nunca mais). Eu ficarei esperando a etapa de 200km, super ansiosa e já com muito frio na barriga.


Fotos minhas, do Bruno Gola e da Sarinha
.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Mulher e ciclista no caos urbano


Dia 11 de julho (final da copa do mundo) a partir das 18h, as Pedalinas vão ministrar uma palestra muito legal no Espaço Impróprio, Rua Dona Antônia de Queiroz, 40, esquina com a Augusta.


O tema é "Ser frágil? Mulher e Ciclista no espaço urbano" e eu também estarei lá trocando experiência, tirando dúvidas e tentando estimular mais pessoas a andar de bike!!!


Quem puder comparecer pra dar uma força será muito benvindo..


quarta-feira, 30 de junho de 2010

Audax Boituva Parte 1: A ansiedade

Muita gente me questiona: mas pq o audax? é competição? ganha alguma coisa?


E eu fico até sem jeito de responder que na verdade é um desafio não-competitivo, que só tem a função de te dar "pre-requisitos" para participar de provas no exterior. Sem grandes expectativas.

Parece simples assim, mas não é! Desafios de longa distância - como o audax - pedem do corpo e da mente uma preparação que vai (muito) além dos treinos de final de semana. Ao completar a prova se recebe um certificado, uma foto e um "parabens" dos organizadores e amigos. Eles anotam seu tempo e revelam se você cumpriu antes ou depois do limite, e só.

Esse limite é uma forma de controlar quem pode ou não passar pra proxima fase, ou seja, se o ciclista está "liberado" pra fazer os 300km, depois os 400km, e assim por diante.

Acontece que muitos de nós não está nem aí pra isso. Só quer tentar cumprir o percurso e se divertir. Foi nesse espírito que juntamos uns amigos 'audaciosos' e nos mandamos pra Boituva, interior de SP nesse final de semana (dias 26 e 27/06).

Uma parte deles (por já ter feito os 200km antes) foi fazer os 300km, e outra parte ficou no desafio 150km - me incluindo.

Controlar a ansiedade é a primeira grande chave. E não digo apenas às vésperas da prova. A semana que antecedeu o Audax foi assim, entre medos e alegrias, ansiedade e incerteza, noites mal dormidas e fome (ou falta dela) incontrolável.

Saber o que comprar pra bike, o que levar na viagem, revisar a magrela, enfim, tudo era decidido pensando na alta quilometragem que teriamos que enfrentar. E todas as escolhas influenciariam DIRETAMENTE na sua performance.

Não preciso nem falar como foi na véspera ne? Eu e Sarinha chegamos quase meia-noite em Boituva, na sexta. Mesmo sabendo que no outro dia teríamos que estar já na estrada, pedalando e lindas às 7h da matina. Ao chegar no hotel e encontrar a Jeanne tivemos a certeza de que aquela noite seria longa, longa, loooooooooonga!

E foi...

Não dormimos quase nada. A ansiedade e nervosismo não deixaram. Às 4h da madrugada levantei e já tava no banho. Logo depois as outras meninas também levantaram e fizeram uma sessão incrivel de yoga, lá no quarto mesmo. Foi sensacional. Ajudou a alongar os músculos e preparar corpo/mente pra aquele dia que tinha tudo pra ser inesquecivel.

Mesmo tendo acordado tão cedo, conseguimos chegar na concentração EM CIMA da hora!! ok!! Estavamos lá, junto com os outros. Um pouco mais de tranquilidade e conforto de rever os amigos, mas logo passou.

A energia que emanava pedia pra pedalarmos logo. Até que finalmente partimos!! Aos poucos aquelas sensações do começo foram passando e dando lugar a outras. A magia das primeiras pedaladas anunciava a solidão que seguiria dali em diante.

Sim! Pedalamos sozinhas. Cada um no seu ritmo, sua pegada, sua velocidade, sua bicicleta!

(continua...)


PS.: Jeanne, não tenho fotos suas! Elas devem estar na máquina da Sarah ou do Silas! :(





.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Sem preconceito



O centro de São Paulo ficou ontem mais colorido e divertido, o lugar onde as máquinas sempre predominam foi substituído por vida! Tinha gente de tudo que é jeito. Era poético, inspirador, bonito de se ver.

A Parada Gay é um dos poucos eventos que consegue parar São Paulo e tornar a vida dos motoristas um tanto (mais) difícil. As ruas ficam fechadas pras pessoas durante todo o percurso (que não é nada modesto) o domingo inteiro: um pedaço da nove de julho, avenida paulista (inteira), rua da consolação e algumas paralelas.

Caminhar/pedalar por ali sem a presença massacrante dos automóveis faz qualquer um enxergar e ouvir a cidade de outra forma, sobre um novo ângulo. As ruas estavam entupidas de pessoas, muito colorido, música, animação e, claro, bebuns!!



Um mar de gente gritando por 'mais cidadania e menos homofobia' - o que me remetia ao lema cicloativista de 'menos carro, mais bicicleta'. Uma big massa crítica manifestando pelos direitos homosexuais. Bonito por um lado, mas triste por outro.

A quantidade de sujeira e péssimo cheiro de mijo me despertavam o tempo todo: "Sim, isso é Brasil!". É impressionante como a pouca educação e senso de coletividade são regras em grandes eventos. Sendo que definitivamente não precisava!

Ao final da Parada Gay, umas 19h, vários carros de limpeza tentavam amenizar o estrago, mas nem a água desperdiçada pra 'higienizar' as ruas foi suficiente. Quem passou pela Paulista hj notou os pacotes de camisinhas 'enfeitando' as calçadas e portas de loja.




E pobre da natureza, sempre sofre, sempre ela!
Mas o melhor momento pra mim foi subir a Consolação, de roda fixa, na contramão e perceber que ela é bem menos íngrime que a Rua Augusta, mas o luxo de fazer isso é pra poucos, pois hoje a guerra no trânsito continua e será impossivel fazer isso mais uma vez.

Fotos minhas e do @maucantara
.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Fixed Gear Wardrobe


Quem não tem mais espaço na garagem pra guardar a bicicleta, inventa outras funções pra ela!

Bike-guarda-roupas
moderno, prático e hype!
=)
e não reparem a bagunça
;)